Anúncio Patrocinado


O bem se apresenta com suas vestes de alegria, bondade, compreensão, amor e igualdade.

Por vezes nos traz um sorriso, um suspiro de alívio e desabrocha uma esperança na continuidade da vida.

Anúncio Patrocinado

Abre no espaço-tempo o elemento do agora, momento no qual nos apegamos e não queremos que vá embora.

Personifica a beleza dos valores, nos traz a certeza enfeitada com as sete cores.

Para muitos, o bem é o conhecimento da verdade, o capacitador de atos de amor e humanidade.

Seria o bem uma entidade viva, manifestada em nossos Eus, trabalhando individualmente, sem que haja interferência de nossos egos ou de nossas próprias mentes?

Ou seria o bem uma maldade enrustida e, junto a ela, os desejos e anseios em nossas mentes contidos?

Mulher com mãos em sua cabeça

Em cada um de nós o bem que é visto corresponde ao egoísmo de pensar que nele está a absoluta verdade.

Perde-se entre o bom senso e o questionamento. Torna-se a imposição desenfreada, maldosa e generalizada, pelo ego tocada.

Então surge o mal, vestido de bem, recipiente dos contrários, aniquilador da vida, sem pedir licença, fazendo feridas.

Não seria o mal apenas a ausência do bem?

Você também pode gostar de:

Mas se o bem é relativo, conforme a experiência de cada ser vivido, sua existência não é absoluta, apenas dita regras de conduta.

Temos duas entidades vivas e, ao mesmo tempo, inexistentes, apenas criadas pelo homem que não quer o fardo de assumir a responsabilidade sobre seus atos, desejos, crenças, ego e consequências.

São resumidos em princípios, valores, ética, consciência e experiências próprias e individuais, cada qual em seu nível de conhecimento, batendo de frente com o livre arbítrio de forma ilusória, pois cada um é responsável por escrever sua própria história.

O post O bem e o mal apareceu primeiro em Eu Sem Fronteiras.



Fonte do Artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui