Cem maneiras de ser a diferença na vida das pessoas – Capítulo 50

Tempo de leitura: 3 minutos


CAPÍTULO 50 – TOLERE AS ESQUISITICES!

É difícil, mas as relações harmoniosas e enriquecedoras exigem que, além das singularidades naturais nas pessoas, tenhamos que aprender o tenaz exercício da tolerância: tolerar as esquisitices das pessoas, as mesmas ou parecidas de que somos portadores, na verdade, é um desafio imenso.

Quando as pessoas entram em nossa vida, elas vêm com tudo e sem manual de funcionamento ou de especificações: virtudes encantadoras e defeitinhos que variam entre o tenebroso e o apenas irritante, sabe-se disso, fazem parte do “pacote” e temos que aceitá-lo e aprender a lidar com ele e seus conteúdos. As esquisitices estão dentro dele, conformemo-nos!

Mulher segurando máscara

Já que não podemos remover as esquisitices das pessoas, porque certamente estamos sob o peso das nossas, é mais inteligente suportar com paciência ou, em casos extremos, com estoicismo, todas as pulsações esquisitas nas pessoas e jamais censurá-las ou insistir no sentido de que sejam removidas. Jamais se deve recomendar um amigo psicólogo para as pessoas tratarem das suas esquisitices, tenha muito cuidado!

Você também pode gostar de:

Faça uma diferença com SABEDORIA E SENSIBILIDADE, respeitando as esquisitices de cada um e de todos, buscando contorná-las, e não se deixe afetar, o que mais cedo ou mais tarde será percebido e reconhecido pelas pessoas, e elas o terão como digno de figurar no panteão das pessoas muito especiais, superqueridas!

Eis algumas esquisitices de pessoas inesquecíveis que transitaram em minha vida e algumas ainda estão reinando nela. Posso começar pela amiga que sempre estava com péssimo humor até por volta das 14h e uma tempestade de alegrias a seguir; outra amiga, uma delicada criatura até sentar-se ao volante… quando então se transmutava num monstro de conduta agressiva e palavrões que nem nas arquibancadas de futebol eram ouvidos; um saudoso amigo que comia primeiro a sobremesa e depois a refeição, alegando que assim os açúcares da refeição seriam “queimados” mais rápido;

Homem olhando para prato

um amigo/cliente que não conseguia engrenar a primeira marcha do dia enquanto não soltasse um grito igual ao do Tarzã, que ele dizia ser o seu vitalizador inicial; um vizinho que mandou fazer uma capa de flanela para seu carro porque, segundo sua esquisita cientificidade, “a flanela faria descarregar a energia estática que atrai acidentes”; e encerro este desfiar de esquisitices de gente muito querida evocando a mais esquisita: ninguém podia tocar na maçaneta das portas da casa, dos banheiros inclusive, se não fosse membro da família e, havendo essa transgressão, o amigo dono da casa, contudo um perfeito “hostess”, imediatamente limpava a maçaneta “profanada” com água de umas garrafinhas “fluidificadas” durante 24 horas pelo menos no espaço próprio da igreja que ele frequentava.


Continue acompanhando a série
 Anterior Capítulo 50  Próximo

O post Cem maneiras de ser a diferença na vida das pessoas – Capítulo 50 apareceu primeiro em Eu Sem Fronteiras.



Fonte do Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *